aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quarta-feira, 28 de julho de 2010

o Ar podre

O Poço que entrego às suas relíquias
É o mesmo que enterram seus ossos
Vasto fundo foi o que cavou
Usou o famoso garfo torno para cavoucar

Destrinchar a insana terra que habita,
Desejo o meu silêncio,
E minha palpita:

Que a umidade abasteça tua saliva
Que os sedimentos sustentem o cadavérico
Que os bichos da carne decompõem sua matéria
Que as pontas da cruz confirme o que fostes
Que os anelídeos afofem seu costeiro
Que o prato seja imenso para devorar o próprio sangue

Não mais, nunca mais...
Não mais nessa Terra.
Nunca mais nessa Fossa!

Aguente a síndrome dos teus nervos,
Do teu inchaço e fedor...
No teu casulo retorcido e engarrafado!

Nenhum comentário: