aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Espaço que é meu!















Estou nesse espaço que é meu
Os sentimentos se movem
Escapam pela janela
E te buscam ao vento

Estou nesse espaço de mim
Aonde consigo movimentar
As coisinhas que sinto
E ainda, te esconder nesse canto...

Estou nesse espaço provisório
Nesse período de momento
Os planos deixando pra depois
Cansando menos e me divertindo mais...
Nesse espaço que é meu!

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Desobediente Sim...


Não me obedeço
sem essas regras de pensamento
tenho a certeza que irrito
e eu sou desobediente sim
e incomodo esse meu lado puro

Me quero assim
dessa sujeira que faz o bem
e que me centra na tua face
bem próxima do ar que polui
e desses lábios salivados!

Desobediente sim
com um lado meio crespo
e outro já alisado
me desgoverno sendo assim
a mim: feliz com o impuro!

domingo, 26 de setembro de 2010

Queimar Bonito



Temos que fazer sim, temos que fazer o corpo cair várias vezes, inúmeras e não ter mais dedos para contar de tantas fraturas, assim pode ser que as próximas quedas sejam amortecidas. E você tomba que nem uma dinamite que explode no meio da sala, tudo pega fogo e você tem que cair e deitar no incêndio, tem que se deixar queimar, tem que entrar no “pega fogo” e não apenas sentir o calor de longe e ficar com as bochechas rosadas, tem que adentrar e não apenas observar as cortinas virando pó e as paredes pelo preto, você tem que estar lá no fundo misturado com os gravetos, no princípio da chama e mesclando o calor do seu corpo, você tem que vibrar muito mais nesse momento e tem que fazer barulho, fumaça e fervor, assim terás domínio de que não se deseja frieza a ninguém. Todos deverão perder alguém, todos mesmo sem nenhuma exceção, assim serão pessoas mais humanas, fortes e aprenderão a usar um sorriso para habitar um vazio lacrimejado ao invés de encharcarem ainda mais aquela fossa, tem que entrar na chama e fazer um fogo bonito, tem que se queimar pelo belo, puro e honesto, tem que brilhar mais que aquele fogo, tem que usar a própria pele para iluminar todas as noites de uma vida e aquecer o que for dia, tem que vibrar bonito também, tem que mostrar a sua temperatura diante do gelo de quem te jogou junto às lenhas e continuar rezando, sendo mais quente que um fogo e queimar bonito, queimar por amor...

sábado, 25 de setembro de 2010

O Poeta



O poeta arranca tudo
devora as palavras
e exulpsa os resíduos
em forma de poesia
em forma de sensações...

Ele consegue cuspir o sentimento
que tranca qualquer garganta
ele se desengasga de forma sensível
e te larga aonde quiser...

o poeta, ele retorce as palavras
e acaba com todas as letras
desempedra o único sentido que possuem
flexibiliza a visão humana
fazendo sentir cores através do poetar...

o poeta some dele mesmo
é fera!
e volta quando quer...
é fogo!
queima a palavra
e da fumaça faz sentimento...
fazendo versos na própria pele...

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Petisco solto


Não tenho vontade de acender um cigarro
O que atrai esse corpo é adrenalina
Ao menos que eu fume correndo
Mesmo assim,
Meu trocar de passos será mais vivo
Com meus dedos livres aonde pisar
E os lábios somente pelo ofegante da corrida
E pelo ar puro atmosférico

Não tenho planos de achar um Amor Eterno
E nem de me fazer em dinheiros
O que me convém é amar meus dias
E aceitar essa impureza de mim
Talvez queira consolidar um equilíbrio
De que não existe certo ou errado
E me assumir como indivíduo

Não sabia que todos eram meio doidos
E que regavam a própria incoerência
Nesse escrito, o meu fervor de correr
Faz a imaginação desse corpo
Explodir sensibilidade e amor a todos
Com intensidades diferentes e de momento
Pois tem gente que também não me ama
E eu não ligo pra isso...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Faminta



Certa vez aprendi algo
Uma única vez
Num único jeito
Em pouco tempo

Naquele instante
E naquela situação
E naquele momento
Somente nesse
Aprendi amar esse Eu

Faminta em devorar
Arrancar de si
O próprio beijo
Aprendi, então:
A Sentir meus toques;
Sendo Eu,
Meus desejos...

Devagar, lentamente
nessa face
Rosada e com pintas
Entreguei-me de volta
Apenas os meus pertences:
Amores por mim;
Faminta!





Viagem!

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

A velocidade das Coisas



 
A velocidade das coisas é tudo muito rápido, mas rápido mesmo. E pra descrever essa sensação de velocidade é dose, é aquela dose de vodka que desceu rasgando, é chimarrão entupido que você prendeu os lábios e fez força e o jato de água veio com tudo e desceu rasgando o esôfago, tudo muito rápido... Você nem vê e já dói, você nem toca e já sente... E as coisas são ligeiras, é ligeiro aquele pum que não deu tempo nem de espremer o bumbum, é ligeiro pra você ficar velho, é ligeiro pra terminar um namoro de longos tempo: só com uma prova de outro beijo você consegue, é muito rápido. É só um toque, é só uma outra língua e você já é dispensado. Como é veloz o sangue quando ficamos envergonhados, ele se larga todo pra cabeça somente com uma palavra, como é que ele escuta? E você começa a suar, tremer e gaguejar em menos de minutos você faz tudo isso. É preciso só um toque em uma das coxas pra que você fique com os olhos entreabertos, a pele rosada e de boca aberta e bem abobada, você até baba e pensa em agarrar suas próprias mãos para fazer justiça. Uma dor é também muito rápida, você dá um soco nos testículos e já fica sem ar, você levanta da cama correndo pra atender o telefone e enrosca o dedo mínimo do pé no canto do roupeiro e já é suficiente pra não atender a ligação. E a velocidade das coisas não tem ponteiros, nem números e nem subjetividade, é simples: os dias se emendam um no outro como sendo sempre o primeiro, só que muito mais rápido do que foi ontem e menos do que amanhã. O café também esfria muito rápido, você tomas uns goles e ele já perde o calor e a vontade de tomar mais, o dinheiro também vai muito rápido, as pessoas compram Marcas. O relógio desperta e você coloca mais dez minutos e não passou nem três e ele já toca novamente. E aquele movimento peristáltico do intestino?Logo quando está na rua, longe de casa e de qualquer amigo, a dor de barriga é tanta que você em minutos imagina muitas coisas: Imagina-se há uma quadra de sua casa, já com a chave certa na mão e com o zíper aberto, com a calça abaixada e sentando-se no vaso e sentindo aquela sensação de alívio, mas você ainda está na rua e a dor até passou de tanto que você caminhou com as pernas fechadas... E é tudo tão rápido, as coisas vêm e vão, doem por um tempo e depois passa, você nasce, é bebezão, criança, adolescente e já cria pêlos no corpo e os corta e eles vêm novamente, os brancos surgem e você começa colorir os cabelos... E as rugas, você até tenta sorrir menos para não estragar o botox, mas você envelhece igual: é tudo tão rápido, é tudo tão lindo!

Ao grave amor


Aos meu beijos
sugados
Aos meus toques
intensos
Aos meus dias
abobalhados
A minha língua
brincalhona... 
Aos meus pulos 
de cacunda
Aos teus ombros
amaciados...

A tudo e a todos
ao nada e ao ninguém
salve!
salve!
Aos graves desse amor!

domingo, 19 de setembro de 2010

Cor de Liberdade


Pulando por ai
quicando e tombando
esse meu corpo

tô gigante dentro de mim
tô enorme de bondade
tô desenrolando a liberdade

Ai, que vento gentil
carregou essa poeirinha suja
e me trouxe mais algumas flores

Ai, que corzinha malandra
quer pintar esse meu desenho
cor de love,
cor de liberdade!

Dores faciais



Ainda bate nesse rosto
essa mesma dor
somente minha pra doer mais
dói e arrebenta
e faz girar este corpo

Egoísta com ela sim
somente em mim
consegue doer pra mais
é minha
dói só por mim

E dói muito rápido
retorce aqui dentro
e explode por fora
e não me larga jamais
sabe doer só por mim

São minhas dores faciais...


sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Rezei


E assim dizendo
que goteja por dentro
diversas lágrimas;
terno sentimento

Quando partiu,
apenas sorri
simplesmente chorei
e por ti ainda rezei

Rezei...
para essa face
continuar sorrindo
e não recordar da minha;
quando não aceitou
a nossa partida

Por isso rezei
rezo!
vá com Deus...

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Sem mais ponteiros



Sem mais tempo pra petisco
que não move
que não mexe
e nem belisca

Sem mais tempo pra palidez
que não pinta
que não diz nada
que acaba o colorido

Sem mais tempo pra piadas
que não sorri nem do final...
sem mais tempo para o momento
que não sente o que vem adiante...

Sem mais tempo para o que fui
que não a mim mesma
que não nós
que somente egoísmo

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Diagnóstico de Mim

Análise do meu Ser
saudade cardíaca
dores visuais
de verdade isso tudo

Miocárdio já nem contrai
pupilas já nem piscam
somente...
acelera e bate cílios por você...

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Sempre Ter


Então o certo é sempre Ter...
ter tudo
que não falte nada
e o que for resto
você doa
pra quem for vazio
e preenchido de vento

Então o certo é sempre Ter...
ter a bondade
de fazer o certo
e o que for errado
você deixa no amor
e que os vermes dos outros
saem pelos poros...

Num só Corpo


Amei além do que não pude
Mais e muito mais do que você
Muito mais do que esse Cosmo
Muito mais desses Sentidos

Muito mais do que essas poeiras
Muito mais do que todos juntos
Muito mais do que um dia Serei

Muito mais do que tudo que escrevo
E a palavra que fica aqui
Essa que nunca saiu
Nem ela irá amar mais do que Eu

Talvez o erro tenha sido
Jogar pro lado o meu corpo
E amar-te muito mais do que a mim mesma!

domingo, 12 de setembro de 2010

Trechos crônica "Na sacanagem"


Você se curva e enfia a cabeça no chão e ainda diz para si: pisa em mim, faça o que quiser, sou o teu ser, não sei nada de mim e essa dor não dói no teu corpo, só sabe doer em mim, ela é minha... Você não assimila aquele Não, e a partida não entra na tua alma, você quer somente aquele colo, o toque, o sorriso e o bom dia, você quer os abraços, os presentes, as datas, os lugares, as árvores, você quer a terra, você quer a cidade, você quer tudo de volta...

...e quando você sente na pele que nunca mais irá se excitar com aquele beijo: você que ir embora também, quer ir junto com o teu luto e quer ir com aquela pessoa que morreu pra você. Você quer seguir e assegurar o outro e simplesmente cumprir o que havia dito antes quando prometeu amor eterno, então você abraça a partida e vai e assim você acredita num final feliz, somente assim... Indo com o próprio luto...  

sábado, 11 de setembro de 2010

meio zonza




Lembrei a última conversa
aquela que dei meu rosto
para as tuas mãos
e dei minha vida para a humilhação
e você mesmo assim
disse: esquece tudo, não presta!

Sabe isso me surgiu na cabeça
por relâmpago e meio de susto
muito rápido
talvez porque eu tenha
acordado meio zonza
e meio dramática
e talvez tenha dormido
toda uma noite de abrigo

não sabia mais dormir
e nem roncar
e nem acordar
tudo isso tinha desaprendido!
os sonhos sim, esses eram de rotina:
dias todos por ti
isso eu sabia...

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Largue o sonho

Solte o meu sonho
deixe-o sair
saio de mim
e ele fica sonhando por ti

E aquele nosso sonho
já se foi por ai
levou somente teu corpo
e teu espírito: jogado em mim

Conduza esse meu sonho
e direciona esse teu corpo
bem fora de mim!

Solte o sonho
e suma de mim...

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Sobra da Dor




Bate no rosto, bate mais forte
no rosto de uma guria triste
mais uma dor
que não sabe doer no teu corpo!

Quase toda parte de mim é ela
o resto é você
eu não tenho nem a mim
e a sobra vai pra dor

E dói muito bem
dói somente aqui
somente em mim

E quando aperta mais forte
é porque encontrou você aqui
no íntegro da minha cicatriz!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

só de Sacanagem



Te vi meio de longe
e já me fiz de malandra
te fiz numas palavras
e só de sacanagem
larguei o que era de boca

e se fui desbocada
no momento te amava
e isso ainda me entorta
porque fiz desse corpo
a tal verdade morta

te digo a grande coisa:
e te puxo e te pego
e agarro e não largo
te laço e te grudo

te faço comigo
esvaio perigo
te mordo
e não nego
te faço barulho
e te lanço de casa
e atiro no nada!

noutro Lugar


Confirmo até meus últimos dias
aqui nessa Terra:
a eternidade do que disse

e naquele outro Lugar
estarei padecendo
sobre os teus sorrisos
e continuarei crendo
nessa Eternidade...

não é um sabor
possui todos os gostos
de desejos
que nunca
serão saciados
pelos meus Sentidos
e talvez,
lá adiante:
nem pelos teus!

nos falamos por lá...
aonde: nem sei
e nem também se quero


a gente se encontrou cedo demais...
culpar minha pressa?
Jamais, não mais...
 
afinal, quando avistei o teu Ser
Eu já não controlava
nem a mim mesma...

domingo, 5 de setembro de 2010

senta ai



Senta e conta pra mim
diga que não é mais amor
fale da evaporação do encanto
afirme que não é mais nada

Senta ai nessa cama
deite as decepções que fomos
pronuncie tudo que foi embora
mas não iluda este corpo

Senta ai e fique quieto
ou fale tudo se for verdade
evite chorar nesse momento
não me faça crer que existe 
algum resto sentimental

Senta ai
continue sentado até
que eu não sinta mais nada
e tenha forças pra levantar
dessa cama
que não mais a nossa

Senta ai
eu escuto a tua língua
assimilo o que fomos
mas eu não entendo o que sinto
e nem o que fiz
que acabou nossos dias...

Levanta e vai...
Vai por você,
Porque
Por mim
Eu já nem sei mais o que é existir...

Cadê meu corpo?
Que eu também não sinto

Cadê Eu?
Que eu também não encontro...

sábado, 4 de setembro de 2010

outro Eu


É..
poucos dias que eu vivo,
tampouco sei de mim
é um tosco como a tal espera
que absurdo,
não é pra ser assim

relatos do que fui
nunca mais Eu
porque hoje eu vivi
outra parte de mim
que ainda não se formou

eu sou outra por ai
naquele canto
total dentro de mim

e amanhã criei análises
das coisas que fui ontem
porque eu sou outra
sem questão ter a mim

Nunca mais Eu...
total boba fora de si!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Nenhum Verso...



Nenhum explica a porcaria de um amor
Nenhum verso explode por dentro meus dias
Nenhum sente o que corrói a ferrugem da espera
Nenhum arrebenta o sangue empedrado por paixão
Nenhum derrama águas de todos íntegros divinos
Nenhum recita o pudor de querer mais de ti
Nenhum fala de tudo que derreteu nosso mundo
Nenhum consegue pronunciar essa ardência de quando foi embora
Nenhum é digno do que vivi por você
Nenhum cheira podre como eu aqui
Nenhum sangra todos os dias e limpa o próprio corpo
Nenhum mofa por esperar os nossos dias
Nenhum tem sentidos descontrolados ao te ver
Nenhum deles encara essa minha força pra viver
Nenhum deles vive e vegeta sem sentido
Nenhum deles come a insônia de tudo que eu fiz
Nenhum deles morde os arrependimentos de todas as culpas
Nenhum deles vaga a angústia de todas as perdas
Nenhum deles detona minhas lembranças do que não aconteceu!
Nenhum deles me faz esquecer de você!
Nenhum deles morre longe de todo mundo...
Nenhum deles perdeu a virgindade dos dias que não vieram!
Nenhum deles é valente o suficiente pra arrancar do couro a própria cicatriz!!!

Nenhum deles é nós...
e nem eu
e nem você!

Eles tentam
mas o que sinto
Arrebenta com todas as escritas...

Eu escrevo com as tuas mãos
Eu te escrevo...
Alguém pode escrever algo pelas minhas?

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O que Foi amor?



Foi amor aquilo...
Aquilo que mais sorriu do que respingou faces
Aquilo que te fez suar na noite mais fria do período
Aquilo que te carregou quando não podia levar nem o próprio peso
Aquilo que fez mudar hábitos, pensamentos e escolhas sem olhar diante de si
Aquilo que te fez sentir o que nunca teve emoção
Aquilo que valorizou o que nem sabia que existia
Aquilo que respeitou mesmo com o desejo de adentrar regras escuras

Foi aquilo...
O mais forte, proteínado, veloz, intenso, poderoso
e o mais saudável numa escolha que foi pelos dois...

Foi aquilo...
O mais corrido e ansioso para enxergar, apreciar e tocar
o rosto que era de sonhos, de realidade e do nosso momento...

Foi aquilo...
Que fez ciúmes, omissões e mentirinhas
por amar demais, muito mais, além dos esforços
além de nós mesmos e dessa vida
por isso foi também partida...

Foi embora por ser mais forte
do que esse mundo
do que essa Terra
do que esses planetas
e mais do que essa Vida
muito mais de tudo isso
e dessas palavras...

Foi embora pra voltarmos noutro momento
naquele lugar que ainda não existe
mas é o que me faz acreditar
no amor eterno que Jurei a Você...

Foi embora pra um dia voltar...
foi provar outros lábios pra confirmar
o que já sabemos:
sabemos que eles
não se enroscam
não se grudam
não se tocam
eles se amam a distância
e a sensação não tem descrição
de tão longe e doce que é...
eu apenas Sinto 
e isso me faz viver!

Pra você o que foi Amor?

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Quero...

Quero acreditar em momentos de solidão, desde que eu seja a melhor companhia para minha essência...
Quero atingir muitos objetivos na vida, desde que o principal seja minha existência....
Quero que meus relacionamentos sejam companhias e não bengalas para me manter em pé...
Quero mais ficar em silêncio trocando algumas escutas com quem tem mais a produzir num dizer...
Quero agradecer cada palavra que escrevo, desde que elas sejam lidas por muitos óculos...

todos Sentimentos

Todos conqustam o indiscutível sentimento
o real canto interior
que envolve tudo que for aplausos
ele que derrama pingos faciais
que vibra as cordas do coração
que acelera o impulso dualístico

Todos conquistam o indiscutível sentimento
o real juízo que investiga sorrisos
sentimento que varre o que for ciscos
sentimento misterioso que ergue sombrancelhas

Todos encantam o que for sentimento
respiram o branco da pureza
no profundo e princípio do que FOI AMOR...
não importando em que dado momento
o mais breve possível
o mais elegante do saz
o que fica é o sentimento
de que foi um Amor...