aos dias de pôr, próxima aos do nascer

sábado, 25 de setembro de 2010

O Poeta



O poeta arranca tudo
devora as palavras
e exulpsa os resíduos
em forma de poesia
em forma de sensações...

Ele consegue cuspir o sentimento
que tranca qualquer garganta
ele se desengasga de forma sensível
e te larga aonde quiser...

o poeta, ele retorce as palavras
e acaba com todas as letras
desempedra o único sentido que possuem
flexibiliza a visão humana
fazendo sentir cores através do poetar...

o poeta some dele mesmo
é fera!
e volta quando quer...
é fogo!
queima a palavra
e da fumaça faz sentimento...
fazendo versos na própria pele...

2 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Forte isso: fazer poesia na própria pele.
Beijo.

Suziley disse...

Na própria pele e no próprio ser. Lindos versos para ler, Camila!! Um lindo domingo para você, beijos ;)