aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 19 de julho de 2010

O não Entender

Nem tudo passa, nem tudo se entende, nem tudo se vive...
Pasma e desafiadora quando não entendi,
O não entender é sinalizador de crescimento!

Não entendo coisas mornas, cinzas e carboníferas...
Não entendo o vazio, o desbocado e o impetuoso...
Não entendo a inexistência, os males e as perguntas...
Não entendo a indecisão, os temores e o pastoso...
Não entendo muitas coisas, quase nada...
Assim me torno mais completa.
Posso saber e não entender...

Sei que nem tudo é pra sempre, o eterno também finaliza.
Sei que as espécies erram, erram e erram.
Não entendo os motivos que as fazem patinarem no lodo
Sei que a burrice humana existe
Não entendo os motivos que as fazem a serem mais burras

Sei que existe o choro e ele determina um sentimento
Não entendo os motivos que as fazem subir por fraquezas alheias
Sei que o tempo é magnífico e sinalizador de tarefas
Não entendo os motivos que as fazem perderem os ponteiros e não viver...

Sei que desilusão e a perda acometem os mais fracos
Não entendo os motivos que as fazem continuarem por receitas
Sei que existe a política e a educação
Não entendo os motivos que as fazem negligenciarem a alfabetização...

Um comentário:

Duda_rodrigues disse...

sinceramente, deveria estar nos poetas de santiago. incrivel!!!!!!!!!!!