aos dias de pôr, próxima aos do nascer

sexta-feira, 23 de julho de 2010

O teu Ser

É o mistério das minhas afirmações filosóficas
É o vazio colorido que responde o meu completo
É a distância que aproxima o tempo que não existiu
É o acaso dos nossos encontros e das repulsões
É a agonia de desafiar minha garganta a gritar o teu Ser
É a vontade de me reinventar por outro caminho
É a indecisão inconveniente das minhas análises
É a incerteza de investigar o teu mais, o teu além!
É a impiedade, a batalha e a fornalha!
É a palavra que não tem escrita e nem leitores
É o saber de tudo menos do Nosso amor.
É o conquistar a todos menos minha mão
É o afastamento mais próximo e instável
É a real loucura lúcida e profética.
É a sombra que te puxa ao meu Sol.
É o fogo que nunca havia gelado em mim!

Nenhum comentário: