aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

o que Sou de você


Era lindo, forte e sangrento
eu não sei dizer como foi
não sai nada pra frente
piedade que eu tenho de mim
me perdoo naquilo que mais amei
me cegava por nossos beijos
percorri todo esse meu corpo
adentrei em todo lugar de suas formas
me culpei quando disse pra eu viver só
Sou a fraqueza de mim mesma
fui o impróprio da história
fui eu que adiantei o eterno
fui eu que afugentei o muito depois
fui eu, foi por mim, fiz pra viver mais...
está sendo eterna agora, a perda
fui tola, boba e desgovernada
fui mulher pros teus dias
fui o que você quis ser
fui os teus dias
fui você
por isso
Não sou
Nunca mais Eu
Eu estou no Teu mundo
Sou a leveza dos teus passos
Sou o teu nome
Não sou nada pra mim
Sou a existência apenas em você!
Talvez seja a sobra do que jogou fora...

sem mais fumaças
sem mais comentários!
no início dói...
mas depois passa,

foi por mim
pelos meus dias
pra eu viver mais alguns anos mais sábios e saudáveis...

Um comentário:

Ruthi disse...

Tão suave a forma como escreve...
Lindo!