aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

respingos de uma cor

então apague a pupila e sinta o suave
podes pulsar quando o som guiar o puro
esse leve existe: quando tudo surpreende
um voo que não sobe e que não fica

diga o que te condiz
não enterre o que faz limitar
alma é além dessa sombra de costas
ser humano: deite-se na rede e balance!

fazendo essa pedra resgatar um fisiológico
jatos daquele óleo essencial que fazem
os rostos por respingos, aromático!
mas e essa brisa que atrofia e não vê mais?

então,
toque nesse ar que não te leva
sinta o que ele suporta carregar
confesse sua leveza e ria

Nenhum comentário: