aos dias de pôr, próxima aos do nascer

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Em vão


 
Em vão, já está bom. “Me” assumo nisso porque o que vale é tentar. Agora se foi utilizado: nem quero palpitar, o negócio á abrir os braços e se largar por aí. O em vão é um espaço bom de carregar, muito branco e sem aquelas poeirinhas chatas que cutucam. Diga: Sim, foi em vão e tão bom! Porque de mim saíram muitas coisas, e vieram de muito perto, mas com tanta força e verdade, veio intenso e de mim, daqui desse meu lado que ás vezes não existe, e é desse mesmo lado que eu pego alguns sentimentos, aqueles que me fazem lembrar de nós, aqueles que ficaram ali só para contribuir com minha felicidade até mesmo com outra pessoa, aquele que não estorva e só completa o que foi em vão, aquele que às vezes resolve de coçar e quando vê já virou alergia e eu tenho que apenas assoprar sem passar nenhum medicamento, porque afinal não é uma cicatriz, é apenas um sentimento que está ali, já é de mim e faz parte do meio que estou. Deixa “ele”, está bem esmagado e quase um pozinho, mas muito pesado, vento nenhum leva ele dali, e eu posso correr e correr, gritar, berrar e suar muito que ele nem cutuca pra sair pelos meu poros, ele apenas começa a coçar novamente... Deixa essa poeirinha, deixa que me cutuque, nem faço questão de coçar mesmo...

4 comentários:

Anônimo disse...

me solto nisso tudo...

SolBarreto disse...

Adoro seus textos e a forma como escreve...tem tanto que se pensar depois de ler..tanto a se rever...
Adoro!

Suziley disse...

Belo texto Camila, tenha certeza que não foi em vão a leitura, faz-nos refletir. Boa noite, bom final de semana, beijos :)

Emília, disse...

Amiga,gostaria que vc acessasse este link abaixo e votasse 10 vezes para que minha filha,Camila Govas,que é artista plástica,possa ganhar e ser uma das ilustradoras das latas do SPRITE.
Antecipadamente agradece a "mãe coruja""!!!
Emilinha

http://refresque.sprite.com.br/criesuaarte/galeriaArte.jsp?id=169422