aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quinta-feira, 24 de março de 2011

Inteira, serei eu




Integridade que pulsa o meu libido
Te fez de líquida nessa dor
Para deslizar nas minhas formas
Te fez de decepcionada nessa mentira
Para acreditar na tua verdade!

Integridade que canta ao pé
Dos meus lados disformes
A fim de preenchê-los
Com uma canção
A fim de me fazer mulher
Com um pouco mais de melodia...

Integridade que manipula
Um jeito, uma forma
De formar uma companheira
A fim de acabar com a deformação
Que tranca meu acabamento
Na construção da fidelidade

Um dia, Integridade serei eu
Inteira aos pés do teu
Corpo já inteiro,
Já formado!

Um comentário:

Poesia Cibernetica disse...

Sempre um belo poema seu a me afagar...