aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 18 de abril de 2011

as Chaves




Esse poema é pra você
A tua despedida
E a minha gaveta chaveada
Não cabendo segredo
E nem outra fechadura
Tão enferrujada diante
Do nosso chaveiro

Esse poema é pra você
O teu último cadeado
Esse mesmo, bem covarde
Com uso da tua mão pesada
Para abrir outra garagem

Esse poema é pra você
Eu, quando te fechei
Foi com um beijo
Foi com um giro de dedo
Foi com o nosso segredo
Sendo nós, aquele miolo gostoso
Sendo os teus dedos, as chaves
Que trancaram a porta da nossa Casa!

Nenhum comentário: