aos dias de pôr, próxima aos do nascer

sábado, 23 de abril de 2011

saudade que dói


saudade que dói aos
cantos do ápice cardíaco
aos afagos de sentir a falta
a falta aos teus dedos
cruzando minha silhueta
a falta do teu riso
presos nas extremidades
dos meus lábios...

saudade que dói
aos meus pés em
sonhos pisando o
chão da tua rua
aos cimentos esculpidos
pelas tuas mãos
ao meu corpo nu

saudade que dói
aos meus cílios em
fotografias sépias
em ter meus olhos
fixos aos nossos
em imagens cegas
ao nosso amor

saudade que dói
ao estribo do ouvido
ao lábios de saliva
ao corpo de carne
aos teus braços
que catam a tua
ausência ao meu
abraço vazio...

4 comentários:

SolBarreto disse...

Saudades intensas e profundas...doidas
Adoro o jeito como escreve Camila!
Voce vai fundo na alma!

Anônimo disse...

Só se tem saudade do que se perde...
Só se perde algo
Por que não damos o real valor as coisas..
Algo perdido po ser encontrado novamente...

Canterle disse...

bonito!
fez me lembrar de mim.

obrigado prima.

Rai disse...

magníficas palavras Camila!Parabéns...