aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quarta-feira, 4 de maio de 2011

me quase tudo, quase


O amor me testa
me impele
me poului, intoxica
me cura
me coloca no buraco
vazio que
me define

O amor me
quase tudo
quase a morte
quase
me mata
quase nada
em todo buraco
que não é cova de amor...

O amor me quase tudo
quase mata,
me quase trilha
em trilhos
do meu corpo nu

Nenhum comentário: