aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Um post antes das férias.


Férias por tempo indeterminado, ao menos que alguém determine para mim. Sabe que até seria uma boa?
 Beijos, bora pra Ernesto Alves.

*********************************homenshoohohohohoh******************************************

inspirada na martha.

A gente se apaixonada por Pedro, pelo Paulo e também pelo Patrique. Mas a gente ama mesmo o Zé, o José e o Juarez. A gente gosta também do Márcio, do Mateus e do Miguel. A gente admira também o Fernando, o Fabrício e o Fábio. A gente se apaixona por duas pessoas no mesmo encontro. Amamos o Pedro porque é professor de educação física e corremos feito uma louca atrás da bola e quando juntamos todas nossas forças e reunimos apenas no pé direito para fazer um lindo gol, já tem um outro do lado de fora da quadra alcançando a bola porque foi pra fora. E nada, e já era, e o gol foi perdido e a nossa cara de decepção lamenta olhando decepcionada para o professor. E ele, cadê o Pedro? Claro, continua gritando: vamos lá, vamos lá! E a gente se revolta e sai correndo como uma louca novamente e chutando todas as canelas e cometendo todas as faltas e por fim, sendo expulsa e perdendo o jogo... Mas tudo isso por amar Pedro, ahh e que Pedro gostoso! Apaixonamos-nos pelo Paulo porque ele é tímido, quieto e não manda nada. Usa óculos e já leu todos os livros que a gente tenha lido, já olhou todos os filmes que a gente tenha olhado, lê revistas e jornais pela parte da manhã. Olha todos os jornais, acorda às seis horas, arruma a mesa com frutas e cereais. Não fuma e nem bebe. Cozinha como um chefe de primeira. Lava, passa, atende os telefonemas e responde todos os e-mails. Não fala palavrões, é educado e conhece vinhos e mais vinhos. Dorme cedo, janta às vinte horas e toma um chá verde e come uma maçã antes de dormir. E quando vai para o quarto termina o sono com a leitura da metade de um livro de culinária. Ah, o Paulo é tudo de bom. O cara perfeito que existe. Ah, esqueci: ele é solteiro e nunca foi casado, deve ser por isso que é perfeito. A gente ama o Paulo solteiro. Mas o Paulo é apaixonante... E o Patrique? Esse é um tremendo cara de pau, o malandro desbocado e “esnobador”. Cada semana com uma namorada nova – lindas, poposudas e com seios grandes. Nunca foi casado e nem ao menos namorou mais de duas semanas com a mesma garota. Pede em namoro no primeiro beijo, manda flores e bombons no segundo dia, presenteia com perfumes e jóias no terceiro, janta à luz de velas durante o resto das duas semanas e engravida no último dia, antes de acabar o namoro. Ah, mas a gente acha o Patrique apaixonante. E ele nunca foi casado. Mas e o resto dos homens? A gente nem sabe o que sente, se amamos, gostamos, admiramos ou se é apenas uma paixão. Ah, mas a gente imagina todinhos deles num só homem, de preferência em nossos sonhos e fantasias. A gente não sabe se fica com o Zé ou com José, se namora com Paulo ou com Pedro, se casa com Fábio ou com Fabrício, se transa com Patrique ou com Juarez. Mas no final, na verdade mesmo, a gente acaba conhecendo o João, um cara que a gente nunca tinha visto antes e acabamos ficando caidinha por ele, desejamos João em tudo: na cama, na conversa, na transa, no sono, no futebol, na corrida, no chimarrão, no jantar, enfim: em tudo. Mas a gente descobre que João tem um namorado, que João é homossexual e a gente acaba se tornando melhores amigos. Ahh, esses homens!!! Mas eu ainda lasco um beijo do João...


Nenhum comentário: