aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Sou a ti, o riso que ri. O olho que vi



Não sou de lua
nem de Marte e Vênus
eu sou eu
sendo apenas,
apenas tua

Não sou de fases
nem da TPM e do dia
eu sou a si, a si
por você, pra ti
parti-me em mil Agres
pra ti, apenas tua

Nem do hetero e do homo
nem da mulher e do homem
sou a mim, despida, nua
nua, apenas tua

Não sou de nada e do obrigada
nem da gentileza e da alteza
sou a ti, o riso que ri
o olho que vi
apenas tua
amada, amada tua

- quem dera viver assim –
pra sempre,
sempre tua
minha nada lua
lua, cheia
- sereia –
eu apenas o grão
onde te secas
na areia crua

Um comentário:

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida Camila
Quem nos dera ter no coração esse sentimento de pertença cada vez mais crescente!!!
Bjm de paz e alegria