aos dias de pôr, próxima aos do nascer

sexta-feira, 9 de março de 2012

isso é amor...


O seu sei-o que fermentas
às súplicas do saber
contendo o cresce
decresce do crescer

se sei o que sou
que sou sua, uma
silhueta insensata
sensual, duas
safadinhas asas
delta, beta e gaminha

sei que sabes
que serei sempre
somente só uma
sozinha aos teus inhas
- alvoroço retumbante -
do riso radiante

‘relicária’, cara metade minha
rica da carinha que o riso fala
nos me olhas, me molhas
rido do silêncio, nos lençóis de malha
que me tanto gosta
amar tua cara

isso é amor, o momento rola
o riso rido
da chuva que molha
da subida que sobe
a ferida que sara
dos amores que foram embora...

Um comentário:

Arnoldo Pimentel disse...

Assim é o amor. Lindo poema, beijos.