aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Qual é o seu Poema?


Qual é o seu Poema?


Poemas em novelas, poesias em teatros, versos sensíveis em músicas. Onde encontrá-los? São nas banalidades de uma rotina comum que se é encontrado os principais poemas das nossas vidas. Mas qual é o seu poema? Aquele que você escreve ou aquele que você leu e nunca esqueceu? O poema, para mim, é aquele que nos veste como sujeito de um determinado momento. É a veste do absoluto lugar em que enxergamos o próprio sentido de trajar diversos panos. Mas em muitas vezes o poema pode ser nada e o seu fundamento se traduz em sua pouca serventia.
O poema é a força de quem escreve e o sentimentalismo de quem o compreende. O poema é fora, é o paralelismo da estrutura posta de forma contrária ao universo tecnológico. O poema é, tantas vezes, mal interpretado para quem escreve frente aos leitores que encontram outro sentido daquele que foi pensado pelo próprio poeta. Talvez o sentido de que se falta faz o próprio poeta se encontrar. O poeta acha as profundezas de um aquário e se perde em sua imaginária profundidade.
O poeta inventa o que se quer sentir, cria o seu mundo e coloca um fim ao que incomoda. Mata mais de uma vez e ressuscita apenas uma única.  Qual é o melhor poeta? Aquele que escreve bonito e segue a rigor o conjunto de rima, métrica e sonoridade? Não nego que os melhores poetas que deixaram suas obras como um marco em cada período literário também possuíam essas características. Em minha opinião, não existem melhores poetas, existem sim os melhores poemas de um específico momento ocasional em que os nosso estado de espírito se encontra.
Às vezes, sou mais filosófica das próprias ideias a uma poeta que escreve com um fim em si própria.  O poeta é um meio solidário que transmite seu próprio sentido de existir naquele momento. O poeta é um solidário da própria intimidade. O poema, a partir de sua publicação, passa a ser de quem lê e não mais de quem o poetou. Há quem goste de revelar um sentimento platônico e deixar subentendidas as múltiplas interpretações de um poema. Há quem desgoste da nudez com que um poema é apresentado, mas há também os que degustam do sabor que não é revelado.
Nesse momento, o meu melhor poema é o da imortal Cecília Meireles. Publico aqui, pode ser de outra pessoa também.
Trechos do poema Motivos

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
— não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.



Nenhum comentário: