aos dias de pôr, próxima aos do nascer

sábado, 3 de novembro de 2012

sou que sois


eis que sou somente eu, seu 
em sóis que sois os sinais 
sinalíticos de seduzirem a mim
mais por si em me sentir
satisfeita nos sulcos do seu suor

que sejamos soterrados em súplicas
a sós, semeando o sol
secando o sono
para sair do mundo sonolento
de simplesmente sonhar

eis que sou o sabor de sentir
o sigilo de não saberem
o seu sossego que és
em ser o sitio da sílaba
a sós e beijar

situado em cinco formas
neste poemas, és o meu
céu e ficaste longe da minha terra
nem por isso e nem aquilo
ouso deixar de sentir tua ausência


2 comentários:

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Fiquei boba ao ver o "desencontro" das palavras tão bem colocado em seu poema... Legal!!!
Bjs de paz e bem

Camila Jornada "Análise do ser" disse...

ooláa, retornando aos blogs..grande beijo...passa por la tb...