aos dias de pôr, próxima aos do nascer

sábado, 14 de setembro de 2013

Este poema existe para provar que um anônimo também é.

Anônimo, já pensou?
em trocar nossos escondidos, ainda mais?
sei que já balbuciou.
de quê nome te veste?
já pensou em despir teu nome?
descer quem és pra mim?
dizer de quantas letrinhas te fazem assim?
sei que já, sei também que não vai...

 

Anônimo, já pensou?
"eu" poeta já, jamais esconderia meu verso.
sei que já me tentou, mesmo sem tentar,
sei que já.
então, diga-me ao menos um pseudônimo?
só pra vida ter um pouquinho mais de graça!

Anônimo, já pensou?
num poema só pra você,
ora, nem pense! Já o fiz,
te criei agorinha mesmo aqui.

Anônimo, já pensou?
Isso, isso mesmo.
Pensou em que poderíamos...?

Ãh??
Pá-pum e já!
Sei que já...
blá, blá, blá...

Anônimo, já pensou?
se te desse um nome?
que nome talvez mereceria ter?
Mercedez? Mercê? 
isso, um nome só pra Você!!!


 Ora, ora...
quem diria...
te fazer rir neste dia!
- isso que eu ainda nem comecei -

Enquanto aguardo teu nome,
anônimo ainda será.
e paramos por aqui,
sim, não pense mais em nada,
pois como vou chamar teu nome
num sussurro baixinho
pedindo mais, 
se é que nenhum nome ainda te faz!!!

Anônimo, já pensou?
pense mais!

Este poema existe para provar que um anônimo também é.






Um comentário:

Anônimo disse...

nunca antes de agora postei enquanto anônimo, mas sei que também sou...realmente me fizeste rir neste dia não apenas a mim, mas sim e com certeza mais que um anônimo, obrigado...tive que vir e ler de novo rsrsr letras também viciam. mais uma vez, parabéns.