aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

minha morte por um minuto

minha morte por um minuto


não perguntas, meu bem
ouvir coisas velhas
deito a tristeza vaga

no meu olhar que fora
sorriso







não perguntas, meu bem
ouvir soluços, os ais
ó dia, dia escuro fúnebre
no voo da ave que pousa
no túmulo



não perguntas, meu bem
ouvir lamúrias de mim, dia-a-dia
da minha boca pra fora
nos lábios que balbucio
na lenga-lenga da vida



não perguntas, meu bem
o jeito que adormeci triste
sem tuas palavras de lisonjas
que eram, foi
ouvidas daqui, lidas florais
as mais preces, lindas
os bons dias extasiantes...


morreu.

2 comentários:

Douglas Álisson disse...

Olá, muito bom seu blog :D
Poderia visitar o meu? São de minha autoria: http://wordsbyalonelyguy.blogspot.com.br

Douglas Álisson disse...

Olá, muito bom seu blog :D
Poderia visitar o meu? São de minha autoria: http://wordsbyalonelyguy.blogspot.com.br