aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

pequenos poemas




No hemisfério triste,
faz parte
apartar-te
de mim
uma pedra no papo

parar o cigarro
do pulmão
puta que pariu


No céu blue
que é azul
azulejo  a parede
da tua pupila
pra agraciar o brilho
do teu olho
debaixo da estrela
maior



pisca
que eu pisco
beija
que eu beijo
ama
que a vida
lhe trará
amor



a única coisa
que cobre nosso sorriso
é o beijo

e o beijo
nos cobre de amor

e o amor
é raro

e nós?
simplesmente
aterrizadas
uma na outra... 

eu te amo muitíssimo 
ok
não é para tanto
é
para sempre! 




5 comentários:

Anônimo disse...

cada vez
mais

Anônimo disse...

Acertou o alvo dos poemas.

Anônimo disse...

Acertou o alvo dos poemas.

Anônimo disse...

Parece que as publicações só ficarão por aqui e olhe lá. Sim, o negócio é amar agora e deixar as publicações dos livros para depois que o amor acabar. Isso não te judia?

Anônimo disse...

E vai Contar o Conto desta Vez. Ou vai dar chance pra alguém?