aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Lavandês de corpo e alma

Trago-lhe lavandas
Tu retribuis, o sorriso
A tua pele cheira o perfume
Lavandês inebriante,
Saltam, as gotículas aromatizam
O doce cheiro do toque, exala
No toque, teu


 

Como não amar?
Amá-las?
Talvez, não sei...

Abotoar tua camisa                             
Brotada em tua pele
Ah,
Como elas brotam!
As flores, digo...
As flores, elas.
digo,
a flor que é ela.


Coisas que a vida nos educa
Amar como se cheira a planta
Tocar como se afofa a terra,
O húmus.
O prumo da tua carne,
Devora.



Duas coisas na vida:
A coisa e a vida.
A coisa que nos dá vida
A vida que nos faz outra coisa

Eitá! Que cousa boa essa vida.

2 comentários:

Si Oliveira disse...

Sapo caiu na lagoa!

Anônimo disse...

que coisa linda!