aos dias de pôr, próxima aos do nascer

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

coisinhas

vejo o teu rosto daqui desta abertura
à esquerda, não sei o que se tem
teu sorriso desce como quem nasce o sol
Ao Leste,
tua boca é o nascer de um beijo
daqui até o pôr do sol
daqui até o céu
daqui até o fim.
o fim do mundo
assim que seja, será



 morrer da vida no amor
que a ti
desejo
abraçar, o aconchego do abraço
teu
o cheiro que fica em meu peito
inebriante 
aroma sem cheiro ruim.

não é pra sempre
nada é pra sempre
mas o que sinto por ti
sinto sempre
amo sempre
quero sempre
sentir o jeito que me envolve
no abraço
nas mãos
no corpo
na alma
na vida
no constante sempre
ser
de sermos 







Um comentário:

Anônimo disse...

perfeito...como vc...perfeita em suas imperfeições. bjo ao vento.