aos dias de pôr, próxima aos do nascer

terça-feira, 5 de abril de 2016

a gota da nuvem

eu espero a chuva
a queda de cada gota
escorrer sobre o nu
debruçar sua molécula
em cada poro entreaberto
do teu labirinto dérmico 


em mim por si
da água que queda
brota a vida
de ti por ti
o líquido que transborda
é a nascente do amor
nos meus olhos-d'água

estou à beira da gota
d'água 
na margem da nu vem
molhada 


2 comentários:

Anônimo disse...

transbordando águas, poeta

Anônimo disse...

à beira do abismo