aos dias de pôr, próxima aos do nascer

segunda-feira, 20 de junho de 2016

venha devagar

venha devagar, se é que vens
sei bem que às vezes voa rápido
mas não deixe a luz do dia dormir
para de amor me cobrir
reamar - reatar - recontextualizar 
é parte da nossa alma, carne, fome.



venha devagar, como sempre chegou
sei bem que por instantes passa um trovão
que nem piscar um olho
quando vê amanhã poderá ser outro dia
e o amor, uma eterna noite escura

venha devagar, assim como sou
vestida ou nua
sou tua,
enxerga-me, sem precisar dizer: por favor!

venha devagar...


Um comentário:

Anônimo disse...

Divino!!!